Seu cabelo é ruim? Que mal ele te fez?

 

“Enquanto a filosofia que declara uma raça superior e outra inferior não for finalmente e permanentemente desacreditada e abandonada; enquanto não deixarem de existir cidadãos de primeira e segunda categoria de qualquer nação; enquanto a cor da pele de uma pessoa for mais importante que o brilho dos olhos; enquanto não forem garantidos a todos por igual os direitos humanos básicos, sem olhar as raças, até esse dia, os sonhos de paz duradoura, cidadania mundial e governo de uma moral internacional irão continuar a ser uma ilusão fugaz, a ser perseguida mas nunca alcançada.” ( Haile Selassie I, discurso na Liga das Nações, em 1936)

Raça ou Etnia?

Sempre existiram grandes divergências e controvérsias à respeito deste tema. Para uma melhor compreensão, partirei do seguinte questionamento: Eu pertenço a uma raça ou a uma etnia?

Primeiro é importante saber que raça e etnia não são sinônimos. Quando nos referimos a etnia, falamos de um grupo que se define pelas suas afinidades linguísticas e culturais, pela sua mesma origem. Já a raça, ao se referir como distinção entre seres humanos, notamos uma definição meramente social, que tenta justificar as diferenças biológicas entre os integrantes das etnias. Este senso comum é um conceito biológico aplicado às subdivisões de uma espécie e não pode se aplicar à espécie humana. É evidente que não possuímos subespécies, logo não é correto afirmar que existem diferentes raças humanas. Cabelos crespos, lábios carnudos e pele negra, por exemplo, representam apenas características biológicas dos grupos étnicos.

Estudos sociológicos, antropológicos e da biologia ocorridos nos últimos anos contribuíram para a desconstrução da ideia discriminatória de raça, ajudando a colocar o termo em desuso, no tocante a classificação humana.

As teorias de diferenciação das raças humanas começaram a ser estudadas no final do século XVII, tendo como seu precursor o francês Joseph Arthur de Gobineau, considerado o “pai do racismo moderno”. Ele defendia a tese de superioridade da raça branca. Desde então, conceberam-se vários trabalhos sobre o tema, com alguns autores distinguindo entre quatro até 20 “raças” diferentes.

Este tipo de pensamento tentava apenas justificar a ordem social que surgia à medida que nações europeias se tornavam imperialistas, submetendo outros povos aos seus domínios. O apogeu desse pensamento aconteceu durante a Segunda Guerra Mundial, com a propaganda nazista.

Diferenças genéticas realmente definem as raças?

A resposta é não! Algumas pesquisas que abordaram diferenciações entre grupos humanos concluíram que, mesmo com as diferenças fenotípicas, as diferenças genéticas existentes entre grupos com características semelhantes eram praticamente as mesmas, ao se comparar com as diferenças genéticas entre grupos de características físicas diferentes. Como conclusão, afirmaram que não existem “raças”, em termos biológicos, com contorno definido, apenas um número de variações físicas entre os indivíduos.

O território brasileiro possui uma enorme miscigenação étnica, como indígenas, portugueses, italianos, negros, japoneses, árabes entre outras. Cada região possui uma predominância de determinada etnia. Mas é errôneo afirmar que existe uma diferença racial entre os brasileiros, uma vez que só existe uma raça: a humana.

E o que vem a ser Etnicidade?

Quando tratamos de etnicidade, nos referimos a construções culturais de determinada comunidade de pessoas. Características como religião, língua, histórias e símbolos, são pontos de diferenciação entre as etnias.

Concluindo

Raça como uma construção sócio-política vai continuar existindo, uma vez que o conceito etnia não preenche devidamente as lacunas que o possível banimento do termo raça deixou. De acordo com Carlos Moore, “Negar a existência da raça, portanto, é um absurdo, ao qual somente se pode chegar através de uma postura ahistórica.” Com base nessa afirmação, uma pessoa que se autodenomina da raça negra ou usa a palavra raça em seu vocabulário não está cometendo nenhum erro.

A discussão em torno do tema raça e etnia é um dos debates mais constantes na sociedade atual. Até porque esta questão está no cerne dos conflitos que o mundo vem vivenciando e atravessando, sejam devido as guerras entre os povos, os constantes conflitos étnicos, por exemplo, no oriente médio e no continente africano, seja por causa da exclusão social pela qual alguns grupos raciais passam em diversos países, aqui no Brasil, negros e índios, nos EUA os latinos dentre outros.

Contudo estes conceitos precisam ser bem compreendidos antes de adentrarmos nas principais pautas de discussão relacionadas a este tema.

“(…) Enquanto o fanatismo, os preconceitos, a malícia e os interesses desumanos não forem substituídos pela compreensão, tolerância e boa-vontade, enquanto todos (…) não se levantarem e falarem como seres livres, iguais aos olhos de todos os homens como são no Céu, até esse dia, o Mundo não conhecerá a Paz”. ( Haile Selassie I, discurso na Liga das Nações, em 1936)  

E você prefere raça ou etnia?

Giorgio Leonel

Giorgio Leonel.

Engenheiro de Produção e Educador

Idealizador do ideiando.com

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *