Economia solidária – O que é? * Por Cássio Valério Soares

A economia solidária é uma forma de organização do trabalho que surgiu como alternativa de geração de renda e de inclusão social a partir de uma realidade local ou regional. É um trabalho voltado para fomentação de geração de rendas para as pessoas que vivem da exclusão de renda fixa, ou que não tenha um trabalho formal onde vivem à espera de uma oportunidade de trabalho.

No Brasil, a economia solidária tem o apoio de instituições e ou entidades associativas comunitárias ou de trabalhadores de um determinado ramo ou serviço que se organizaram e constituíram cooperativas populares, feiras de cooperativismo, grupos que buscavam comercializar os seus produtos ou serviços.
Segundo o Fórum Brasileiro de Economia Solidária (FEBES – 2011) diz que a Economia Solidária pode ser definida em três dimensões 1:

• Economicamente, é um jeito de fazer a atividade econômica de produção, oferta de serviços, comercialização, finanças ou consumo baseado na democracia e na cooperação, o que chamamos de autogestão: ou seja, na Economia Solidária não existe patrão nem empregados, pois todos os/as integrantes do empreendimento (associação, cooperativa ou grupo) são ao mesmo tempo trabalhadores e donos.
• Culturalmente, é também um jeito de estar no mundo e de consumir (em casa, em eventos ou no trabalho) produtos locais, saudáveis, da Economia Solidária, que não afetem o meio-ambiente, que não tenham transgênicos e nem beneficiem grandes empresas. Neste aspecto, também simbólico e de valores, estamos falando de mudar o paradigma da competição para o da cooperação de da inteligência coletiva, livre e partilhada.
• Politicamente, é um movimento social, que luta pela mudança da sociedade, por uma forma diferente de desenvolvimento, que não seja baseado nas grandes empresas nem nos latifúndios com seus proprietários e acionistas, mas sim um desenvolvimento para as pessoas e construída pela população a partir dos valores da solidariedade, da democracia, da cooperação, da preservação ambiental e dos direitos humanos.

Fonte: http://carmeloruiz.blogspot.com.br/2014/04/

A economia solidária ganhou força no Brasil com o apoio de instituições e entidades a iniciativas associativas comunitárias e com a constituição de cooperativas populares, feiras de cooperativismo e redes de produção e comercialização. Segundo o Portal Brasil Cidadania e Justiça 2009: 2 Em 2003, foi criado o Fórum Brasileiro de Economia Solidária (FBES) e hoje há fóruns locais e regionais para debater e promover o assunto. A atividade ganhou também o apoio de governos municipais e estaduais, o que proporciona um aumento nos programas de economia solidária, onde foram desenvolvidos ferramentas e mecanismos que auxiliem no processo de capacitação e de fomentação dos projetos. O objetivo geral desses fóruns é sistematizar o conhecimento das realidades e nesta perspectiva colocar os pontos fundamentais que valorizem o trabalho através das relações de trabalhos e de cooperação nas cooperativas democráticas e criativas baseando-se na gestão autossustentável de um grupo ou individual, no que concerne a comunidade a que está vinculada, que traz consigo um pensamento voltado para responsabilidade social, buscando-se assim como resposta a solução de problemas dos indivíduos que estão inseridos no projeto da economia solidária. (CIDAC, 2011) 3.

Os exemplos mais claros que temos sobre o empreendimento econômico solidário são as cooperativas, associações, grupos de produção e clubes de trocas que realizam atividades de produção de bens, prestação de serviços, finanças solidárias, trocas, comércio justo e consumo solidário. Essas organizações têm algumas características em comum, ao qual destaca-se o fato de serem empreendimentos coletivos; de terem atividades permanentes ou principais que são a razão de ser da organização; de serem constituídas por trabalhadores urbanos ou rurais que exercem a gestão das atividades de maneira coletiva e dividem os resultados; e de poderem ou não ter registro legal (prevalecendo a existência real ou a vida regular da organização).

Referências Bibliográficas

1 Fórum Brasileiro de Economia Solidária – http://cirandas.net/fbes/o-que-e-economia-solidaria

2 Portal Brasil Cidadania e Justiça – http://www.brasil.gov.br/cidadania-e-justica/2009/11/economia-solidaria-promove-inclusao-social

3 Centro de Intervenção para o desenvolvimento Amilcar Cabral – http://www.cidac.pt/index.php/o-que-fazemos/comercio-e-desenvolvimento/economia-solidaria/

 

Cássio Valério Soares – Formado em Administração  pela Faculdade de Administração de Curvelo, Pós graduando em Gestão Pública Municipal pela Universidade do Estado Minas Gerais, Membro ativo da Sociedade São Vicente de Paulo, e colaborador e membro da Equipe do Ideiando.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *